Empresas de transporte por aplicativo sofrem impacto com greve de caminhoneiros

/ junho 5, 2018/ Uncategorized/ 0 comments

A paralisação nacional dos caminhoneiros está gerando impactos significativos em aplicativos de transporte, especialmente aqueles de carga. Os aplicativos de transporte urbano como Uber, Cabify e 99 também sentiram o impacto da greve dos caminhoneiros, que atingiu nesta segunda-feira seu oitavo dia em diversos Estados do país.

A falta de combustível em cidades do país fez com que motoristas deixassem de oferecer serviço pelos aplicativos, ao mesmo tempo em que a busca por alternativas ao transporte público, com a queda de circulação de ônibus coletivos, aumentou a demanda das empresas.

Como resultado, nos últimos dias, o Uber registrou preços de corrida acima do normal, seguindo o preço dinâmico adotado pela empresa.

O Brasil é o maior mercado do Uber em corridas atrás dos Estados Unidos e São Paulo é a cidade número 1 do Uber no mundo, afirmou à Reuters em abril Andrew Macdonald, que administra as operações na América Latina.

São Paulo decretou estado de emergência na sexta-feira passada e tem operado com frota de ônibus coletivos reduzida. Na terça-feira, 60 a 70 por cento da frota da cidade deverá operar, informou a prefeitura.

“Assim como todos os brasileiros, a Uber acompanha com atenção as notícias sobre a crise de abastecimento no país. Neste momento, reforçamos nossos canais de atendimento para estar em contato permanente com os parceiros e usuários e prestar o suporte que for possível”, afirmou a companhia, que no início do ano informava ter mais de 150 mil motoristas vinculados à sua plataforma no Estado de São Paulo.

A rival Cabify também fez um ajuste de preços para atender às necessidades dos motoristas, que enfrentaram um aumento nos preços dos combustíveis. “A empresa entende que o aumento nos preços dos combustíveis pode impactar diretamente no ganho dos motoristas parceiros, comprometendo consideravelmente seus gastos com a prestação de serviço que”, afirmou a Cabify.

A 99, por sua vez, controlada pela chinesa Didi Chuxing, definiu um teto no preço variável em cidades de todo o país. “Com a iniciativa, esperamos equilibrar a oferta e a demanda de carros particulares (Pop) sem incorrer em preços atípicos”, afirmou a empresa. Além da definição do teto, a 99 informou que tem promovido serviço para ajudar os motoristas do aplicativo a encontrarem combustível e com informações sobre condições de trânsito.

Afetou também as empresas que trabalham com motoboys, a empresa Apptite, que permite a compra de comida caseira feita por cozinheiros autônomos via aplicativo e, por ora, funciona apenas na capital paulista, teve aumento de procura de 25% nos últimos dias, porém entregou menos do que o habitual, conta o sócio Guilherme Parente.

Para lidar com a falta de combustível, a empresa combinou um revezamento entre os motoboys que a atendem. Parte trabalhou exclusivamente de noite e outra apenas no almoço. O problema é que, como menos entregadores estão disponíveis, o tempo de entrega da empresa aumentou e pratos que chegariam em uma hora passaram a ser entregues em duas, explica Parente. Com isso, a companhia está entregando cerca de 80 refeições por dia, em vez das habituais 150.

Como alternativa para sofrer menos, a startup passou a usar também serviços de bicicletas, o que Parente diz que será mantido após o fim da turbulência.

Celso Misaki, fundador da LocalChef, do mesmo segmento e que também só opera em São Paulo, também identificou o aumento de procura, com saldo final da semana negativo. Ele explica que a companhia usa serviço de um aplicativo para chamadas de motoboy para garantir a entrega da comida feita pelos cozinheiros de sua plataforma. Porém, como o tempo para atendimento das entregas estava muito alto, decidiu deixar de atender pedidos de pronta-entrega que não fossem para regiões onde é possível levar a comida de bicicleta.

https://www.gazetadopovo.com.br/economia/nova-economia/demanda-nos-apps-de-delivery-aumenta-ate-25-na-paralisacao-mas-falta-de-gasolina-emperra-entregas-8gn95c6li26w4juwu4traayk9

https://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKCN1IT277-OBRIN

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>
*
*